Páginas

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Minha mãe é surda.



Não é surdez mesmo, é surdez seletiva na minha opinião.


Quando você conta uma fofoca, ela é capaz de fazer leitura labial pra não perder nenhum detalhe.
Quando você fala sério, ela te olha com aquele jeito perdido de quem não entendeu nada do que você falou, ou que sequer, sabia que estava participando do diálogo. É, a doida deve achar que monto monólogos. 
Se estamos as duas num recinto e estou falando, é lógico que é com ela. Só falo sozinha, quando estou realmente sozinha.



Um acontecimento inesquecível foi o seguinte:
Estávamos os três, minha mãe, meu irmão e eu tentando, manter um diálogo lógico, foi mais ou menos assim:


- Mãe, você sabe que horas vamos viajar? Pergunta a filha.

- Quem vai dançar? Onde? Responde a mãe.

- Que dançar, mãe, ela falou viajar! Intervém o irmão.

- Eu não sei o que eles vão cantar, eu não tenho que saber tudo! Diz brava a mãe doida que não entende nada.

- Caraca mãe, deixa de ser surda, falei viajar, ninguém vai dançar nem cantar, tá doida? Responde a impaciente filha

- Olha, eu não vou dar idéia pra vocês não, porque vocês ficam aí de bobeira falando que vão dançar, cantar, quero ver quem vai tá pronto às 10:00 quando o carro chegar... Bobeira, sabem que tem que viajar e ficam de piadinha na sala...




Surreal!


Minha mãe!
Blogged with the Flock Browser

Nenhum comentário:

Postar um comentário